Translate this Page

Rating: 2.8/5 (5408 votos)


Partilhe este Site...

 



  
Ajude a manter este Site

Doe qualquer quantia

Obrigado

 Faça Abaixo Sua Doação  

 

 

   

 



 

 

 MÚSICAS RECORDAÇÕES

 

 

 

 

 

 



TOTAL DE VISITANTES A ESTE SITE 

FRUSTRAÇÃO
FRUSTRAÇÃO

FRUSTRAÇÃO

 

Quantas vezes você se desdobrou para atender a um desejo de seu filho?

Muitas vezes evitamos decepcionar nossos filhos por nos sentirmos culpados. O trabalho excessivo ou uma crise - no casamento, na saúde, nas finanças - acabam nos levando a ceder e a dizer sim.

 

Ao tentar não decepcionar seu filho, você evita que ele aprenda a lidar com algo importante – a frustração. A grande maioria dos adultos sabe que nem todas as nossas vontades serão atendidas e as crianças também precisam entender, ao longo da vida, que é normal se decepcionar. É importante vivenciar pequenos episódios de frustração desde a infância. Essa é a regra do jogo, vive melhor e é mais feliz quem sabe que receber os “nãos” da vida é natural.

 

Após os dois anos as crianças precisam entender que não podem ter tudo o que querem de imediato.

Ao contrário do que se acredita, seu filho não vai sofrer por isso. É só saber a hora certa de dizer sim ou não, separando o que é desejo e o que é necessidade. Negar o brinquedo que ele quer ganhar fora de datas comemorativas como Natal e aniversário, por exemplo, não vai prejudicar seu desenvolvimento. Aprender a esperar é importante: tenha certeza de que seu “não” vai propiciar mais benefícios do que perdas, pois, quando crescer e entrar em contato com o mundo extra familiar, ele vai encontrar um ambiente em que as vontades dele não serão sempre atendidas. Na escola, por exemplo, os amigos podem ficar chateados com uma criança que não gosta de dividir os brinquedos ou que não sabe perder nos jogos. Se você notar que seu filho tem tido dificuldades de socialização, converse com o professor e investigue como é o comportamento da criança fora de casa.

 

Ao deixar que seu filho se frustre algumas vezes, sempre com seu afeto e apoio, ele será um adulto mais compreensivo. Na adolescência, entenderá que, se não ser aprovado no vestibular, deve tentar novamente no ano seguinte, ou que um amor não correspondido dói – mas é normal, faz parte da vida e não é motivo de desespero. Por outro lado, a criança que é criada em um lar sem frustrações não vai querer sair do ninho e isso comprometerá até o seu papel di cidadã na sociedade.

 

Por amor, você pode querer sempre atender aos desejos do seu filho. Mas é importante que ele entenda: a vida trará decepções e que, mesmo assim, ele poderá ser feliz.

 

Créditos Viviane Battistella

Psicóloga, psicoterapeuta, especialista em comportamento humano.

https://www.facebook.com/vivianebattistellapsicologa

 


topo