Translate this Page

Rating: 2.8/5 (5084 votos)





Partilhe este Site...

 

 MÚSICAS RECORDAÇÕES

 

 

 

 

 

 



TOTAL DE VISITANTES A ESTE SITE 

ATENHA-SE À SUA INSIGNIFICÂNCIA
ATENHA-SE À SUA INSIGNIFICÂNCIA

 

Eu estava dentro do taxi em São Paulo e ao passar sob o viaduto Santa Ifigênia o taxista me falou: -Ontem o trânsito ficou parado por duas horas. Um morador de rua se atirou do viaduto. Na hora cantei mentalmente: “morreu na contramão atrapalhando o tráfego”. Sou apaixonada pelo Chico Buarque (apesar de) e Chico tem música para tudo – agora mesmo me veio outra “apesar de você...”. Meu texto de hoje fala desses dois versos e do quanto insignificantes somos na existência do universo. Cada um de nós, moradores de rua ou presidentes da república, somos apenas mais um na multidão e a nossa vida, a nossa existência não é tão importante assim. Ao morrermos, seja pulando do viaduto ou numa queda de avião em Santos, a diferença para o todo é pífia.

 

Por que falo disso? Por que falo assim?

 

Porque tomar consciência disso pode nos fazer mais felizes. Grande parte do sofrimento emocional do ser humano está ligada ao egocentrismo. Ser egocêntrico significa achar ou pensar que o mundo gira em torno de si. Esse comportamento faz parte do desenvolvimento infantil e, a regra é que desapareça por volta dos cinco anos de idade; porém, alguns adultos ainda acreditam ser o centro do mundo. A sensação que dá é que estão ainda fixados na fase egocêntrica.

 

Pessoas egocêntricas sofrem muito sem perceber, veja alguns exemplos:

 

-Se preocupam demais com a opinião dos outros, pois acreditam que todos estão se importando, falando e observando suas vidas – como se a função dos outros fosse ser plateia. As redes sociais têm sido ferramenta para o aumento do egocentrismo. Algumas pessoas passaram a se imaginar realmente famosas, importantes e a dependência da avaliação dos outros passou a ser maior ainda.

 

-São intolerantes, não aceitam opinião divergente. Não sabem conviver com as diferenças e são muito agressivas quando frustradas. Se repararem bem, são como crianças que, ao receberem um não, se atiram no chão e se batem. Não entendem que o outro pode pensar e agir da forma que escolher e quiser.

 

-Não conseguem criar novos conceitos, e nem mudar de opinião. Pessoas egocêntricas são sinestésicas. Elas decidem se vão gostar ou não de algo ou de alguém baseadas na avaliação do quanto o outro lhe é similar no agir, pensar e ser. Seria como eu deixar de gostar do Chico Buarque só porque ele fez campanha política para a candidata à presidência de um partido que não me agrada.

 

Gente egocêntrica é assim, se o serial killer entra para a igreja dele, ele passa a gostar sem crivo algum de avaliação. Sabem por quê? Na fase egocêntrica, a criança não possui capacidade de abstração nem de avaliar o indivíduo de outra forma que não seja a utilidade dele no seu mundo. Alguns adultos ainda são assim, se me é útil ou se concorda comigo, eu gosto, do contrário, não.

 

Por trás de todos esses comportamentos, acredite, o ser humano egocêntrico sofre. A vida, o mundo e as pessoas existem e isso não depende da nossa existência – ninguém está no mundo para nos agradar e nem tampouco ser agradado, mas as pessoas egocêntricas – pasmem – não sabem disso. Desperdício de água, intolerância política e xenofobia estão ligados ao comportamento de seres humanos que estão ainda na fase do egocentrismo; preocupar-se demais com o que o outro pensa de você também; enxergar o outro como menos importante ou como plateia da sua insignificante vida, mais ainda! A liberdade, o respeito e a percepção de que somos apenas mais um nessa grande engrenagem pode nos fazer mais felizes e mais úteis na sociedade. Deixemos de sofrer como as crianças birrentas que se negam a aceitar a realidade.

 

Proponho um grande exercício: observe uma foto antiga, tipo aquelas do século passado com um grupo grande de pessoas em frente á estação de trem. Observe cada uma, imagine seus anseios, suas dores, seus amores – nada disso existe mais, se foram – e quando penso no que deixaram de viver ou de fazer por se imaginarem tão importantes assim, me dói, e lá vem outra música do Chico: “preciso não dormir até se consumar o tempo da gente...”.

 

Um dia todos nós estaremos estampados nas fotos, então, olhe para dentro de si, acorde e vá ser feliz!

 

Créditos - Viviane Battistella

Psicóloga, psicoterapeuta, especialista em comportamento humano.

https://www.facebook.com/vivianebattistellapsicologa

 


topo